Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de junho de 2010

Pulmão de Laboratório






Caro, complexo e arriscado, um transplante de pulmão é atualmente a única maneira de tratar lesões extensas no tecido pulmonar. Todo ano, milhões de pessoas morrem de doenças do pulmão no mundo todo (400 mil apenas nos EUA) e mesmo as que conseguem um órgão novo enfrentam problemas frequentes como infecções e rejeições, o que faz com que apenas 10% a 20% dos pacientes tenham uma sobrevida de 10 anos.

   Como a capacidade de regeneração do pulmão humano é limitada, não passando do nível microscópico, e os doadores são escassos, encontrar uma alternativa tem sido um desafio para os cientistas. E uma nova opção pode ter sido descoberta por pesquisadores da Universidade de Yale, nos EUA, que informaram ter conseguido dar o primeiro passo para criar tecido pulmonar capaz de realizar troca de gases, principal função dos pulmões. Em estudo publicado na edição desta quinta-feira da revista “
Science”, a equipe mostrou ter conseguido implantar com sucesso pulmões criados por bioengenharia em ratos.

   A técnica desenvolvida em Yale consiste em retirar de um pulmão eventualmente doente todas as células, deixando para trás apenas a matriz extracelular — essencialmente colágeno — e a estrutura hierárquica de passagens de ar e sistemas vasculares. Posteriormente, esta mesma matriz recebe novas células especializadas retiradas do outro pulmão do paciente, sejam elas do endotélio vascular ou do epitélio pulmonar. Esta matriz, então, é colocada em um 
biorreator que simula condições fetais, promovendo a reprodução das células implantadas.

Técnica afasta os riscos de rejeição





   Com o tempo, as novas células preenchem toda a estrutura, criando assim um novo pulmão saudável. Quando 
reimplantado nos ratos, o novo pulmão mostrou-se capaz de realizar todas as funções necessárias, entre elas a de fazer a troca entre oxigênio e dióxido de carbono e apresentando flexibilidade suficiente para realizar a respiração.

— Os pulmões não se curam sozinhos e, quando os transplantamos, os pacientes tendem a enfrentar muitos problemas — disse Laura 
Niklason, uma das autoras do estudo, à revista “Nature”, destacando que foi por causa destes problemas que sua equipe decidiu buscar uma técnica que usasse as células do próprio paciente, afastando assim o risco de rejeição.

   Outra grande vantagem da descoberta de Yale foi utilizar a estrutura do próprio pulmão comprometido. Na maioria das pesquisas conduzidas por várias outras instituições, os cientistas deram preferência ao uso de matrizes sintéticas. Mas, para surpresa da equipe de 
Niklason, a matriz extracelular natural “conduziu” as novas células pulmonares para seus locais corretos no novo órgão, basicamente “treinando” elas a funcionarem apropriadamente.

   Na prática, porém, as células pulmonares — principalmente aquelas vindas de pacientes idosos e doentes — não terão uma reprodução satisfatória de forma a criar um novo pulmão, admitiu a pesquisadora. Nesses casos, disse, terão que ser usadas células-tronco.

— O que fizemos na verdade foi desenvolver a planta tecnológica e científica de forma que os estudos com células-tronco possam encarar a questão — resumiu 
Niklason.

Em outra pesquisa, chip simula órgão





   Em 
um outro estudo publicado na mesma edição da “Science”, pesquisadores da Universidade de Harvard relatam a criação de um chip que, coberto por células pulmonares de um lado e vasos capilares do outro, simula o funcionamento dos alvéolos, pequenos sacos onde se dá a troca de gases nos pulmões. A ideia, explicou Donald Ingber, líder do estudo, à revista “Nature”, era criar um mecanismo de filtragem de moléculas para a indústria farmacêutica que mais se assemelhasse à fisiologia humana do que as usuais placas de Petri (pequenos recipientes usados para cultura celular em laboratórios).

   Segundo os cientistas, o que mais impressiona no novo chip é que ele é capaz não só de simular a fisiologia do pulmão, mas também as forças mecânicas que atuam sobre as células no processo de contração e expansão dos pulmões que acontece na respiração. A equipe de Harvard também testou o chip para determinar como 
nanopartículas penetram nos pulmões e como bactérias invadem o órgão para causar doenças.


Por: ♠Marlon

Jornal: O GLOBO
Autor:  
Editoria: Ciência
Tamanho: 673 palavras
Edição: 1
Página: 36
Coluna:
Seção:
Caderno: Primeiro Caderno
© 2001 Todos os direitos reservados à Agência O Globo

3 comentários:

  1. legal!!!!!!!!!!!
    gostei, muito bom XD.....

    ResponderExcluir
  2. Esse pulmão, na verdade, vai liberar substãncias no sangue que, chegando ao cérebro, vai começar a dominar os neurônios, tomando conta da mente da pessoa e, aí, ele vira iluminati. Ou militante do PFL. Ou entra pra família Restart.

    ResponderExcluir
  3. olha vcs não sabem do que esta si passando no mundo o governo esta escondendo muitas coisas sobre as organização deles tipo extermina a humanidade aos poucos para diminuir a população para que eles tenha total controle sobre a humanidade para que eles tomem todas as naçois para que o deus deles possa reinar sobre nois satanas

    ResponderExcluir