Pesquisar este blog

domingo, 18 de novembro de 2012

A Mansão Winchester .

Olá,hoje vou falar sobre a Mansão Winchester uma casa localizada em San José - Califórnia que pertenceu a William Wirt Winchester, filho do fabricante dos Rifles Winchester e sua mulher Sarah Pardee. William morreu em 1881 e a partir daí temor incontrolável tomou conta de Sarah,barulhos eram ouvidos na casa durante o dia e a noite seguidamente.
Sarah resolveu procurar ajuda em um centro espírita em Boston, para descobrir o que estava acontecendo,e a médium disse que seu marido estava rodeado dos espíritos de pessoas que foram mortas pelos Rifles Winchester. Assim, ela deveria construir quartos para que os espíritos de luz permanecessem na casa, proporcionado a paz para que os barulhos cessassem.Porem isso não aconteceu os barulhos continuaram a atormentar Sarah que resolveu construir a casa até o fim de sua vida foram mais de 38 anos construindo corredores tortuosos, um labirinto de escadas e portas levando a lugar nenhum, que foram projetadas para confundir os fantasmas dos espíritos malignos.Sarah morreu em 1922 com 85 anos . Atualmente a casa possui 160 quartos 13 banheiros,52 clarabóias e quase 10.000 janelas.Porem um aposento da casa que é o mais misterioso O Quarto Azul que era onde Sarah conduzia as suas sessões espíritas particulares. Ninguém pôs os pés neste quarto enquanto ela era viva. Alguns crêem que o quarto é uma passagem para os visitantes de outra dimensão. Hoje, ninguém mora na casa, mas ela esta aberta aos turistas que quiserem visitá-la. Ainda hoje, dizem ser comum ver aparições de mortos. Algumas pessoas dizem que Sarah Winchester ainda caminha pelos corredores.
O quarto azul.

sábado, 7 de janeiro de 2012

Moluscos podem ajudar a desenvolver camuflagem militar

Pesquisadores recebem investimento de US$ 5 milhões por cinco anos para desenvolver tecnologias que melhorem a camuflagem das forças armadas dos EUA.
A U.S. Navy revelou um investimento de US$ 5 milhões em uma equipe de pesquisadores da Duke University, instituição de ensino superior norte-americana, para que sejam desenvolvidas tecnologias militares baseadas no sistema de camuflagem de cefalópodes. Os cientistas, liderados por Sonke Johnsen, estão estudando a mecânica de como as lulas e os polvos utilizam órgãos sensíveis à luz para manipular as células luminosas e criar camuflagens naturais e dinâmicas. O investimento realizado é válido para os próximos cinco anos e deve resultar em aparatos tecnológicos para os campos de batalha. De acordo com Johnsen, algumas espécies de moluscos podem lançar camadas de pigmentos sob a pele, permitindo que sejam confundidos com o ambiente em momentos de perigo. O pesquisador explica que os animais não tornam-se “invisíveis”, porém, sua camuflagem é extremamente eficiente. A intenção da U.S. Navy é transpor isso para os equipamentos de defesa dos EUA. Segundo a financiadora, as forças armadas do país não querem apenas descobrir uma nova tecnologia bélica, mas conhecer melhor a vida marinha. Retirado: http://www.tecmundo.com.br By : Matheus Oliveira

Exército americano estaria investindo em capacete telepático

Olá,estou aqui hoje para falar sobre mais um investimento do exército um capacete telepático.esta nova tecnologia permitiria que soldados se comunicassem sem precisar emitir sons ou sinais.
Guerras nem sempre são resolvidas em meio a tiroteios e bombardeios ensurdecedores. Há momentos em que a estratégia é a principal arma dos combatentes, que precisam invadir bases ou territórios inimigos sem serem notados. Nesses casos, a linguagem de sinais é o modo mais eficaz de comunicação. Mas o que seria ainda melhor? Só telepatia. Pois o exército americano está investindo cerca de 6 milhões de dólares para o departamento de biomedicina de Gerwin Schalk. O médico está pesquisando formas de criar dispositivos capazes de ler a mente de quem o está utilizando e em seguida repassar os sinais para o decodificador que estiver com a outra pessoa. Esses emissores e receptores poderão ser instalados nos capacetes dos soldados, fazendo com que os combatentes possam se comunicar sem precisar emitir sons. Ou seja, é a “telepatia” produzida pela tecnologia militar. By: Matheus Oliveira